sexta-feira, 19 de agosto de 2011

"Stop-motion"

Ás vezes o tempo parece que pára e prende-nos numa espiral de pensamentos que julgávamos esquecidos ou até mesmo "enterrados", um simples e pontual acontecimento determina toda uma série de efeitos-dominó construídos de forma precária e arcaica na nossa mente e ficamos (como normalmente se designa) "a patinar na mayonnaise".

O cérebro arranja forma de combater este "replay" aborrecido que leva a um circulo vicioso e repetitivo até que nos recordamos da razão porque decidimos "exilar" para o gulag este tipo de pensamentos (geralmente há uma razão) e impede-nos de cometer o mesmo erro vezes sem conta (ou não) de qualquer forma se o cérebro não tratar do assunto o senso-comum acaba por prevalecer e evitar a reprodução de acontecimentos lamentáveis e dignos de ser esquecidos.

O problema é o "loop" que fica... mas mesmo esse "loop" vai perdendo força e as réplicas vão-se esbatendo até se tornarem ecos surdos condicionados por um débil sentido de auto-protecção.

É o preço a pagar por estar vivo. Vá de empurrar a bolinha para cima do monte outra vez...




Sissi Fu

quarta-feira, 23 de março de 2011

Deus e a Ameba

Numa imposição geral, numa rigidez atónita, se destacam o trajecto colectivo como uma singularidade apráxica.Génio uno e desmaiado nesta síncope da realidade.Criamos o inimigo a partir do Eu, para o Eu...
uma náusea de introjecção...
Patinamos numa superfície de acre...
Sem termo para abraçar o vasto imponente ou dialogar com sentiência,por equivoco, simplesmente mascaramos o motivo e a fonte.
Respiro do meu reflexo a emanação circunscrita numa orbe, sendo a orbe em si ou o seu teor ornamental.
Revelação de consumo alienado...
Um contracto intuitivo e apartado que me promove cega para os moribundos...
À semelhança do outro ainda não revelado, desenvolvo porém, um investimento no objecto e uma retracção para o Eu, como o corpo de uma ameba que estende e retrai seus pseudópodos.
Somos deste modo peregrinos na nossa elevação e agnosia da mesma.
Habitamos o mestre em nós, porém solicitamos a mestria por vias persecutórias...
Residimos a arte, instituindo porém a obra e a espada para a aniquilar...
Possuímos a espada e perecemos na mesma por nos pensarmos como ceifeiros da praxis.
Possuímos a espada e elevamos o athame para nos aniquilarmos enganadamente com ordem, obediência e progresso...
Mas antes, aniquilamos colectivamente uns demais, só para arrebitar caminho...





Barbie Túrica

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Indelével

A nossa historia chegou ao fim
Agora só tenho de apaga-la da minha mente
Pena é que foi escrita a tinta permanente.



William Costa

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Cheio de tiroteios espectaculares e personagens com muito mau fundo

Paralelismos do tempo, circunstância obtusa, classificações espelhadas nos olhares alheios...o surgir de uma raiz "costumizada" de preciosidades e felizes alentos..um suspirar mútuo de químicas brilhantes...uma explosão que palpita ao sabor de uma aproximação linear.
Eclode o debate de esferas numa dança pleumática entre corpos, flamejando se propagam na perenidade do Eu.
Ambas as existências sorriem de braços abertos ao ecoar desta passagem.Na mesma se filtram, na mesma desvanecem. Disseras outrora saber altruir um ímpeto de cor, que a hemodiálise do pensamento era o teu novo desejado ser...cruzas os passos da memória no ditame da nova escolha.
Tu que te sabes inquieto de emoção és dono de um novo querer...Ainda assim, perpetuando a intenção, salto profundo num oceano de pedra....tu, flutuas na ideia de possuíres a minha sombra
Pintas de cores e inéditos detalhes um ter que o tempo levou...cego-me na fuga e na limitação...
Encolhe os ombros com um sorriso e vai...Eu fiquei lendas atrás...sou de mármore e cera, anima percorre-me pelas veias, tu olhas-me pelo espelho...
Na miragem da tua ilusão, mata-me de novo, que eu, já parti há uns bons ventos atrás...



Barbie Túrica

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Vá... Catarse.

Tudo na vida é feito de ciclos. A própria vida o é.

Ciclos que acabam e começam, tal como fazer o 5º e 6º na Afonso III, não existem ciclos inacabados, toda a ideia de existir um ciclo implica um fim e um começo e cenas pelo meio (que não interessam).

Quando se imagina que um ciclo não acabou, anda-se no limbo, a vaguear por dimensões paralelas que pouco tem a ver com a realidade, preso à linha que se desviou do eixo do ciclo, chama-se a isto negar a realidade.
Quando se assume que o fim de um ciclo antes de ser um fim é um principio (de outro ciclo) é bom sinal, de optimismo e crença no futuro mas o importante é assumir que um deles acabou para poder começar o outro.

Há pessoas (como eu) cujo relógio "espaço-temporal" é mais esbatido e os "timings" de interiorização são mais lentos acabando por atrapalhar o "normal seguimento das coisas" (que é como quem diz resignação) atrasando assim o normal curso do ciclo, atrofiando-o e comprometendo o principio do ciclo seguinte.

Na vida nasce-se e morre-se, durante a vida vamos morrendo e renascendo e é no meio de nascimentos e funerais que vamos passeando até que nos tornamos indiferentes e assimilamos que a vida é mesmo assim: feita de ciclos.


sexta-feira, 2 de julho de 2010

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Certificado de "Hobbit"

Nunca fui muito de usar anéis e muito menos brincos, não porque tenha nada contra isso mas porque acho que não me fica bem, as pulseiras fazem-me alergias e falando em acessórios mais modernos os piercings para mim são brincos que não são "feitos à pistola" mas sim "à unha". Não quero com isto dizer que sou contra o uso de qualquer um dos acessórios que referi anteriormente, pelo contrário, há pessoas em que de facto fica bem e o importante é as pessoas sentirem-se bem com elas mesmas.

Quero com isto dizer que todo aquele "hype" do "senhor dos anéis" me passou um bocado ao lado, primeiro porque tudo anda à volta de um anel com poderes (e eu não curto anéis) depois porque o "senhor" que usa o anel é um anão narigudo e o ultimo filme que vi com anões deixou-me sem vontade de ver pornografia até ao ano 2012.

Apesar de tudo isto, vi o filme, lá vi os anões á volta do anel, druidas malucos, bons e maus uns contra os outros e o anão a tripar com o anel, um elfo das flechas, uma gaja boa que faz feitiços e... outra vez o anão a tripar com a merda do anel. Eu compreendo aquele pequeno ser, Eu também não curto anéis e também não ia gostar se tivesse de usar um, ainda por cima se fosse um cota com um vestido branco a dizer-me para usá-lo e tivesse de andar á porrada com meio mundo por causa dele.

Com a idade dele devia era andar atrás das "Hobbitas" a fazer pequenos "Hobbitos" e não com um outro anão gordo sempre juntos por causa do anel e tudo isto sempre com o compadrio do "cota de branco", há algo de desviante em toda esta história e aposto que o rapaz só queria estar descansado da vida, na dele, a apanhar cogumelos nas matas verdejantes do seu jardim e a fazer coisas próprias da sua idade, crescer antes do tempo não é bom para ninguem e o meu amigo Frodo tem tempo para se tripar com anéis quando tiver de se casar...




Frodo Brilhas

domingo, 13 de junho de 2010

Mas quem será o pai da criança?

O dia de Santo António é um dos melhores dias para se estar em Lisboa, isto para quem gosta de alcóol, confusão, muitas pessoas, mais confusão, sardinhas e um pouco de "pimba" á mistura, é o espirito da coisa.

As ruas estão cheias de pessoas bebadas e há fogareiros a bombar sardinhas por todos os cantos, nos bairros tipicos a festa é rija e sempre á abrir, pessoas de todas as idades dançam frenéticamente ao som do pimba e (claro) há sempre porrada. Tá calor na rua, é verão o que tambem ajuda á coisa, os vestidos leves e coloridos das "bambies pululantes" que passam e sorriem dão um tom psicadélico aos passeios cheios de latas, garrafas e copos de plástico vazios, paira um certo equilibrio cósmico pelo ar...

Mais uma cerveja, mais um "flirt" no meio da multidão, um pézinho de dança e... voltar a repetir todo este procedimento, é simples, de vez em quando é inevitável soltar um sorriso por estar a dançar musica tão pirosa mas faz parte do espirito, no fim da noite depois de passar pelo "limbo", ligar o piloto-automático e chegar a casa uma pergunta não me saía da cabeça... Mas quem será o pai da criança???




Mary Alva

quarta-feira, 9 de junho de 2010

(Mais um) Post sobre mudanças

Como todo o Português tenho uma certa resistencia (inata) á mudança, não sei se é de comer bacalhau ou de beber vinho tinto ou alguma dessas merdas típicas que nos identificam enquanto nação mas está inculcado no âmago do meu ser.

Neste caso, mudar (outra vez) de casa e devido (outra vez) ás mesmas razões: Uma senhoria bipolar e poucas condições. Podia dissertar sobre a menopausa cavalgante ou até pre-senilidade da senhora em questão ou de exigir mundos e fundos por um quarto do tamanho de uma jaula do tarrafal mas não. Isso já não interessa.

Depois de carregar duas casas para um terceiro andar nos dias mais quentes do ano até agora e ficar alguns dias sem quase me conseguir mexer isto tudo a seguir a vir de um fim de semana em Faro (sempre abrasivo), pode-se dizer que depois da tempestade vem o "Bonanza" e (como sempre) mudar foi positivo a todos os níveis, a casa é bem melhor, melhor localizada e o senhorio não chateia, agora venham os Santos e as sardinhas e (claro) o vinho tinto.


Zé das mudanças

sexta-feira, 2 de abril de 2010

sábado, 27 de março de 2010

Talking to myself

Há algo de especial nas pessoas que falam sózinhas, há pessoas que conseguem manter todo um dialogo com elas mesmas, perguntas, respostas, risos, conclusões... tudo o que normalmente se consegue através do diálogo e partilha de ideias com outras pessoas mas sem o risco de sermos contrariados.

Tenho reparado que grande parte destas pessoas tem frases tipo que soltam para o ar, coisas tipo: "Eu não sou maluco, querem é fazer-me de maluco mas não conseguem", autenticas pérolas que nós, pessoas que falam umas com as outras devíamos analisar e tentar chegar a conclusões:

1. "Eu não sou maluco" - OK, ninguem te estava a dizer que eras, mas a falar sózinho não restam grandes duvidas.

2. "Querem é fazer-me de maluco mas não conseguem" - Quem? Os duendes verdes que andam atrás de ti?

Consigo perceber que com este tipo de conversas ninguem se interesse em falar com pessoas assim o que as leva a falarem com elas mesmas, aliás consigo perceber todo o conceito, ás vezes falar com outras pessoas é o mesmo que estar a falar com um muro pelo qual passamos todos os dias, há pessoas que só falamos por causa de convenções socias e há ainda o irritante "bom-dia" que temos de dizer mesmo que seja um dia de merda.

Há pessoas que falam demasiado, há pessoas mais reservadas, mas no fundo o que torna toda esta teoria inválida é que todos temos as nossas próprias convicções e verdades e muito raramente nos deixamos convencer por alguem do contrário, o que me leva a pensar se não andaremos todos a falar sózinhos uns com os outros.



RV

domingo, 14 de março de 2010

O homem que respirava demasiado alto

Já há muito tempo que não acontecia nada nas minhas viagens matinais de autocarro que justificasse partilhar mas eis senão quando aparece um gajo que respirava demasiado alto.

Nunca tinha pensado nisto, até agora, para mim nem associava nenhum som ao acto de respirar mas ter conhecido aquela personagem acrescentou mais essa dimensão aos meus sentidos: o som de respirar.

E como respirava aquele senhor! ouvia-se bem que ele respirava, fazia questão que isso fosse notado, aquele statement "oiçam o meu respirar" fez me pensar que não iria gostar nada de por exemplo ficar encravado num elevador com aquele personagem enquanto ele continuava a aspirar e exalar o ar furiosamente como se não houvesse amanhã.



Utente Fluorescente

sexta-feira, 12 de março de 2010

quarta-feira, 10 de março de 2010

Orgia paroquial

A religião há muito tempo que tenta opinar sobre o sexo. Primeiro diziam que a masturbação cegava... bem... se isso fosse verdade eu estava a escrever este texto em Braille, depois há aquela história pouco clara do Zé carpinteiro ser casado com a Maria e ela ser virgem e depois engravidar por ver uma estrela, ha tambem um filme com a Ana Zanatti sobre freiras fufas e mais recentemente o papa veio condenar o uso do preservativo quando a SIDA mata milhões de pessoas.

Parece-me que há aqui aquela situação de falar sem saber muito bem sobre o que se está a falar, aliás como é que alguem que faz um voto de celibato está creditado para falar de sexo? Se o Ron Jeremy ou o John Holmes fossem padres talvez teria algo a ouvir (e aprender) quando estes falassem de sexo agora o Bento 16... convenhamos que não deve ser um iluminado na matéria... Tambem há aquela questão de deixarem velhas beatas e decrépitas com os cerebros lavados pela eucaristia votar em questões como o aborto... em que é que isto as afecta? tem ovários ao menos?

Uma coisa que me faz confusão é: os padres fazem voto de celibato, será que passam a vida inteira sem se esporrar? custa-me a acreditar, acho que a maior parte deve preferir mandar a sua gaitada ou assediar uns putos das suas dioceses e depois auto-flagelarem-se (sim, porque deus vê tudo)

O próprio Jesus... será que chegou a mandar uma foda? Podemos especular mas nada vem mencionado nem no antigo nem no novo testamento.

Agora recentemente na Irlanda começaram a rebentar alguns escandalos "casa pia style" envolvendo padres e crianças com violações pelo meio e acho que é no mínimo de bom tom perguntar: Até quando estes tarados vão continuar a opinar e condicionar quem fodemos, se usamos preservativo ou nos dedicamos á gaitada?

Tenho dito.




Zé da Gaita

sábado, 13 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Desmame de viver

Para quase tudo na vida é preciso um desmame, fui ver ao dicionário e desmame significa período em que um ser deixa de mamar ou acto de deixar de mamar (o que faz sentido).

Mais vulgarmente é associado ao tempo que precisamos para nos desabituarmos de qualquer coisa, seja cavalo, pónei, drunfos, alcóol, poker ou até mesmo uma pessoa ou uma relação, tem de ser algo que o nosso organismo esteja habituado e, por qualquer motivo se veja privado.

A privação está muito ligada ao desmame uma vez que uma implica a outra, normamente passa-se por um periodo de diminuação gradual até á eliminação mas tambem se usa muito o método placebo ou seja a substituição por algo que não é a mesma coisa mas mantém-nos entretidos, há tambem o chamado "desmame a frio" quando a coisa é repentina e não temos o tal tempo de desabituação ou se decide ter uma solução radical, aqui devido á habituação do organismo é mais complicado, há dores, suores frios, mau estar e dependentemente do grau de adicção podemos passar mal e ficar com algumas mazelas.

Se conseguimos chegar ao fim do caminho e conseguirmos livrar-nos dessa substância/hábito/pessoa temos de arranjar maneira de ficar longe dela para não ter recaídas, outra coisa a fazer é lamber as feridas e tentar camuflar as marcas deixadas para isso não se notar e conseguirmos passar despercebidos a continuar neste desmame da morte que é a vida (a vida é o tempo que precisamos para nos habituarmos á ideia que vamos morrer).



Alberto Camelo

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Planos

Tenho pensado bastante na inutilidade de fazer planos: com todas as variantes envolvidas valerá a pena? Ao fazer planos estamos a traçar um caminho que a maior parte das vezes não passa disso mesmo: um plano, um caminho que nós gostaríamos de seguir mas, a realidade encarrega-se de acabar com as utopias.

Num plano prático podemos usar como exemplo aqueles dias em que dizemos: “ah e tal hoje não me vou esticar muito, vou só beber umas cervejas” escusado será dizer que esses dias são os que vão acabar invariavelmente a chegar a casa de manhã a debater-me com problemas de gravidade.

Os planos tem uma grande probabilidade de correr mal, mesmo que tudo seja minuciosamente planeado de maneira a não ter falhas existem sempre as variáveis (que felizmente não conseguimos controlar) outra coisa a ter em conta é que os planos que fazemos estão muito ligados ao que nos queremos e/ou gostavamos que fosse o que até era perfeitamente possivel se vivessemos sózinhos.

A exemplo disto tenho visto um grande numero de senhoras idosas a passearem-se pela rua com o cabelo rôxo e ou temos uma legião crescente de velhas-punkitas que finalmente perceberam a Vivienne Westwood ou aquilo tambem não correu como elas tinham planeado, tiveram a vida toda para planear e acabam por ser algo que nunca tinham planeado: cotas com o cabelo rôxo.

Só o facto de existir um plano B é porque já partimos do príncipio que o plano A pode não funcionar até temos algo chamado plano de contingência para precaver potenciais riscos, o que é certo (e irónico) é que muitas das vezes nem nós próprios fomos planeados e viemos cá parar na mesma e se chegarmos a velhos nem a tinta vai pegar no cabelo.


A malta lá da rua chamava-me o "Zé Planos"

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Filhas da pota


As Potas são tipos de moluscos marinhos da classe Cephalopoda, subclasse Coleoidea, ordem Theuthida, que inclui subordens, Myopsina e Oegopsina (esta última inclui a espécie Architeuthis dux, a pota-gigante).
As filhas são as pequeninas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Mau tempo amnésico

No natal gosto de ver o telejornal, enquanto como bacalhau e o menino nasce é sempre bom manter-me informado, e para meu grande espanto ao que parece estar mau tempo no inverno é noticia agora, em todos os canais o mau tempo reinou o tempo de antena natalicio (tirando a "moshada" ao Papa) mas o mais interessante é que este ano teve mais mau tempo do que nos outros anos, isto segundo a memória das pessoas bastante idosas entrevistadas, passou-se o natal, o menino nasceu, comemos a merda do bacalhau e continuou a chover, para alem disso á chuva juntou-se o que vulgarmente se chama "um frio do caralho" mas... estamos em Janeiro, é normal.

Preocupa-me esta tendência de "encher chouriços" no que trata a informação jornalistica, primeiro, não é noticia estar mau tempo no inverno, é um facto. Depois um velho não se lembrar das coisas tambem não é noticia é senilidade, por isso quando nos aparece uma pessoa com 70 anos a dizer "que não tem memória de uma coisa assim" a pergunta que se impõe é: então e lembra-se do que jantou ontem?

Qualquer dia é noticia estar calor no Verão e que a senhora Antónia do quiosque se esqueceu de tomar a medicação...





Espectador Passivo

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Dissecando o Pai Natal (Inside Father Christmas)

O Pai Natal é uma figura que faz parte do imaginário de todos nós, desde que a coca-cola se lembrou de vestir um velhote barbudo de vermelho e branco que esta "personagem" se tornou "A" figura mais emblemática desta época em que se comemora o nascimento do menino nas palhinhas deitado aquecido pelos "bafos" da vaca e do burro.

Mas já alguem terá pensado bem nesta figura sinistra? Um velho eremita que ao que se sabe nunca casou, anda sempre com crianças ao colo, gosta muito delas e dá-lhes presentes? Ora, isto era exactamente o que o Michael Jackson dizia que fazia... serei só eu ou há aqui indicios de pedófilia?

Para além de crianças (que se saiba) o Pai Natal só se dá com renas sendo a(o) sua(seu) preferida(o) o Rodolfo e isto não melhora nada as coisas para ele porque se só se dá com crianças na altura do Natal fica 11 meses só a conviver com estes animais e um homem tem necessidades... Já a sua predileção pelo Rodolfo... acho que os factos falam por si (Zoofilia-gay?)

Nos seus tempos livres (entre as renas e os putos) o "Pai" enquanto prepara as prendas com que alicia as crianças tem ainda tempo para escravizar duendes, o que diga-se de passagem não é nada ético e até ultrapassado, hoje em dia a neo-escravidão é feita através do capital e já que revela tendencias tão "avant-garde" em relação á sexualidade bem se podia emancipar nesta situação e arranjar duendes de terceiro mundo para os explorar completamente a troco de quase nada. A escravidão não é aceitável.

Tendo em conta esta breve reflexão (sim, porque o formato "post" tem de ser acessivel) pensem bem antes de deixarem os vossos filhos sentarem-se ao colo deste homem.






Tio Natal (irmão do Pai)

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Do NOT ignore the auto-pilot (um post para Darwinistas)

O ser Humano está em constante evolução, desde o princípio dos tempos que nos vamos adaptando às adversidades e evoluíndo como espécie, primeiro começámos a andar erectos, depois a usar as mãos, inventámos o fogo... e por aí adiante até á playstation 3, lábioplastias e telémoveis onde se põe os dedos no ecrã.

Assim como a Humanidade foi evoluindo gradualmente até á forma que conhecemos hoje, todos nós passamos por "fases" evolutivas ao longo da nossa vida e vamos desenvolvendo capacidades que nos permitem ultrapassar as adversidades próprias da nossa contemporaneidade e, continuar a avançar na escala evolutiva.

No meu caso concrecto desenvolvi uma capacidade (ou funcionalidade) a que decidi chamar "auto-pilot" (em Inglês porque é a língua franca do mundo e é mais fácil para gíria tecnológica) que consiste num sistema de orientação abstracto que me tráz a casa cada vez que não estou em condições para fazê-lo. Todo este processo passa-se a um nível subconsciente, ou seja não me lembro de nada, o que é certo é que acordo em casa, são e salvo e (quase) sem mazelas, é tipo: Azimute 3,4... arranca!

A uníca preocupação a ter com este sistema de navegação urbana é não ignorar o aviso, é como ter um carro e ele entrar na "reserva": sabemos que só faz mais X quilómetros e acabou, fica ali.
Assim é o "auto-pilot" quando o aviso surge só há mesmo o tempo necessário para chegar a casa e ignorá-lo pode significar ficar a dormir nas escadas do prédio, na casa de banho ou até mesmo pelo caminho (em casos extremos).


P.S. não tentem isto em casa.

domingo, 22 de novembro de 2009

Corrupção dragonball

Se o Sócrates e o Pinto da Costa se fundissem teriam poder suficiente para derrotar o Berlusconi?

sábado, 21 de novembro de 2009

Post sobre o tempo (e pizzas)

Quando era pequeno queria ser bombeiro quando fosse grande, quando se é pequeno tem-se uma percepção muito distorcida da realidade, eu por exemplo dizia que nunca iria fumar e até fiz cartazes anti-tabagistas na escola primária, hoje... é o que se vê, tambem me lembro que franzia a cara e dizia que o vinho era amargo quando alguem mo dava a provar nalguma festa familiar, hoje nem a pior zurrapa me faz vacilar,mais uma vez o tempo encarrega-se de por os pontos nos is.

Há 5 minutos atrás, era mais novo 5 minutos e ainda nem estava a escever este post, agora neste preciso momento tou 5 minutos mais velho e maduro e este post já tem 7 linhas, algo impensável há 5 minutos atrás.

O tempo é um conceito sobre o qual vale a pena divagar, até porque é um assunto que é universal e transversal a toda a sociedade e concerne a todos nós. Todos nós já fomos pequenos e agora somos grandes, passamos por todas as fases do crescimento, os dentes de leite a cair, o primeiro pintelho a nascer... Enquanto o tempo passa vamos passando por fases que nos vão marcando deixando marcas indeléveis que nos moldam e formam o carácter (ou a falta dele)

O tempo é uma constante, é uma referencia (talvez a única) Universal, por exemplo um minuto é um minuto aqui como é um minuto na China ou até mesmo no Zimbabwe, quando se telefona a encomendar uma pizza sabemos que temos de esperar mais ou menos entre 30 a 45 minutos o que que é tempo mais do que suficiente para escrever um post sobre o tempo.

O tempo tem tambem um lado medicinal, quando dizemos que "o tempo cura tudo" ou "não há nada que o tempo não cure" normalmente o povo costuma ser sábio nos seus dizeres mas aqui vou ter que discordar e passo a exemplificar porque: Imaginemos que eu levo um tiro nos cornos e espero uma semana para o tempo curar... parece me bastante obvio que com este raciocinio rápido fica provado que o tempo não cura tudo, mas ajuda.

O tempo tambem assume a sua forma metereológica, quando nos queremos referir ao clima, em relação a este aspecto podemos mencionar aquelas pessoas que sentem pontadas quando o tempo vai mudar, ou até mesmo quando dizemos " o mau tempo chegou" referindo-nos á chuva e ao frio, quando o tempo está desagradável e nada convidativo e actividades extra-domiliciárias não nos apetece sair de casa e encomendamos pizzas, passado um bocado tocam-nos á campainha e este post chega ao fim. Tudo tem o seu tempo




Anthímio do Azinhal

terça-feira, 3 de novembro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A banalização da morte

Um morto é uma tragédia, um milhão são estatistíca (ou algo assim do género), assim como o puto vê o Bruce Willis no filme, os mortos entram em nossa casa diariamente, no telejornal, em qualquer filme de acção (especialmente com o Steven Seagal) e até mesmo num jogo de futebol, enquanto petiscamos uma sandocha lá vamos assistindo ao desfile de cadáveres de todas as partes do mundo, uns bons, outros maus, outros simplesmente incógnitos, alguns estropiados, mortos á "katanada" ou á queima-roupa com uma caçadeira enquanto enquanto dormem numa carrinha... a "variedade de oferta" é enorme.

É uma inevitabilidade já se sabe, para morrer basta estar vivo, por isso por um lado até é bom sermos habituados e expostos a esta "cultura da morte" diária e contínuamente, é como um "lembrete" que dispara aleatóriamente, depois torna-se banal, entranha-se, e torna-se parte essencial do nosso dia-a-dia. Mas não estará isto a tornar-nos insensiveis?

A morte faz parte do nosso dia-a-dia, habituamo-nos a ela sem a compreender, de um certo modo fascina-nos e isto pode ser visto por exemplo quando há acidentes na estrada ou pessoas atropeladas por combóios, a tendencia é ir dar um "espreitadela" para satisfazer a curiosidade mórbida, a propósito disto, no outro dia estava a ir para o trabalho e vi um gajo morto na rua, estava estendido no chão com as costas numa parede e parecia ter sido espancado, naquela zona há algumas senhoras que vendem o corpo por isso deve-se ter metido com alguma e foi espancado pelo chulo, "não é uma boa imagem para se ter de manhã" pensei eu e fiquei a pensar nisso durante um bom bocado, depois distraí-me com outra merda qualquer e não pensei mais nisso.

Hoje é dia dos mortos, o pessoal vai aos cemitérios e é um dia bom para o negócio das flores, é um dia em que lembramos "os nossos mortos"... até na morte somos egoístas... com os mortos dos outros podemos nós bem... É este paradoxo que ainda não consegui perceber: somos habituados á morte desde que nascemos mas cada vez que morre alguem próximo parece que é a primeira vez, e não vai ficando mais fácil... deve ser a isto que chamam "o mistério da vida".




Bru Wili

domingo, 18 de outubro de 2009

Domingo de ressaca

Domingo é o dia da ressaca por excelência, não há dia melhor para ressacar até porque normalmente coincide com o fim do fim de semana e costuma ser sempre a seguir á Sexta e ao Sábado (dias de exagero e devaneio alcoólico e psicotrópico).

Não deixa de ser curioso (para quem é crente) que o dia em que deus descansou depois de fazer a terra seja o dia em que o Homem ressaca depois de mamar o sangue de cristo, de facto há algo de religioso no Domingo de ressaca vulgo Romingo, é uma celebração de mau estar, suor mal-cheiroso, tremores, taquicardia e até mesmo dores causadas pela "desabituação ao alcoól", é uma espécie de "via sacra" do bêbado repetida semanalmente que vai piorando com o passar do tempo e a degradação dos orgãos internos, mas não é por isso que se deixa de beber... isso é que era bom! nada disso, bebe-se cada vez mais para mostrar que não andamos aqui a brincar e que levamos a sério os nossos "hobbies", o único problema do Domingo de ressaca é que a seguir é sempre Segunda-feira e tem de se ir trabalhar (para quem trabalha) ainda com mazelas do fim-de-semana...



Jacques Daniel

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Mais barato que a verdade? (Sexo, mentiras e projectores)

É verdade que a verdade é sobrevalorizada, este assunto já foi dissecado neste blog, mas agora uma outra questão de natureza puramente existencial põe-se em cima da mesa... se a verdade não é assim tão importante porque é que as pessoas se dão ao trabalho de mentir ou omitir? (o que técnicamente é diferente...) ou até mesmo fingir?

Neste curto espaço em que me ví aqui metido e (ainda) não acabou, sou obrigado a aceitar que as pessoas "moldam" a verdade consoante lhes interessa e isto é que me intriga... O que move as pessoas? Que motivações estranhas as levam a fazer coisas completamente e aparementemente sem sentido?

Mesmo quando nos estamos a CAGAR completamente para uma pessoa (e podemos ter as mais variadas razões para isto) há quem goste de dar tangas "ah e tal... isto e aquilo..." "já não te via há tanto tempo..."

É bonito é tudo o que tenho dizer.

O problema é que não vivemos sózinhos neste mundo e apesar de gostar mais do azeite para fazer refogados, tenho de admitir que o azeite é como a verdade, vem sempre ao de cima e geralmente é por duas razões: Ou acham que é rídiculo enganar um amigo ou porque gostam de se gabar dos seus feitos.

O mais engraçado nesta merda toda é que a verdade só vem ao de cima quando já nos estamos a cagar para ela, vem sempre fora de tempo por isso depois de nos chamarem todo o tipo de nomes incluindo mentiroso e paranóico sabe sempre um bocado a azedo quando descobrimos que afinal estávamos certos.

Não tenho nada contra a mentira, ás vezes a mentira é necessária, mas parece-me um bocado estúpido manter essa mentira quando já não há razões para isso mas enfim... como o povo diz (e o povo costuma ter razão) a festa já não é minha e se as pessoas se sentirem bem em ser dissmuladas por mim tá tudo bem, agora tangas... nunca usei, prefiro boxers, não me apertam os colhões.

A verdade? essa é mais barata do que podemos pensar.

Se o problema é a opinião com que ficamos das pessoas... Isso não é um problema porque afinal somos seres egoístas e desde que achemos que somos os maiores do mundo e os outros são uma merda nada de invulgar se vai passar, apenas a continuidade de uma existência de merda.




Mais barato do que a realidade

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Eco-misticismos banais

Hoje, peguei num daqueles jornais diários xungas que dão no metro e lí o meu hóroscopo: normalmente aquilo é um acumulado de patranhas e tangas semi eco-místicas e e dá-me alguma vontade de rir (ou pelos menos faz-me mover o musculo do lábio superior) mas hoje não.

Aquela merda hoje fazia sentido, o gajo que fez aquilo parece que me conhecia e por mais estranho que pareça até me dava bons conselhos, imediatamente comecei a pensar na Maya (a nossa grande astróloga) primeiro nua e vomitei, depois já vestida a proferir as mágicas palavras: "Não negue á partida uma ciência que desconhece" o que até fazia sentido se a astrologia ou o "tarot" fossem uma ciência, mas vamos passar essa parte á frente e vamos considerar que isto dos animaizinhos e das estrelas até faz algum sentido.

Concedo que a maior parte das vezes que leio aquela bosta chego á conclusão que aquilo são frases totalmente generalistas e que a maior parte das pessoas identifica-se com aquilo se quiser, é tipo uma "hipocondria dos signos" e é muito possivel que seja exactamente o que se passou hoje, por outro lado é possível que os astros hoje tenham acertado em cheio, duvido é que toda a gente que tenha o meu signo ache o mesmo por isso isto não é uma questão pacífica.

Qualquer dia até os meteorologistas começam a certar no tempo para amanhã...



"El Toro Loco"

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Exmos. Senhores Membros do “Gang dos Pontos”,

É com grande regozijo e admiração que vos escrevo do estabelecimento prisional onde me encontro encarcerado e cujo nome devera permanecer no anonimato.
Sou vosso irmão de sangue. Na menoridade também cometi alguns excessos que serviram como formação para o que se seria uma promissora carreira no crime abruptamente interrompida pela minha detenção.
Aqui tornei-me um intelectual proeminente. Li tudo o que podia apanhar. A minha auto-instrução deu-me um certo sentido de superioridade em relação aos outros reclusos (claramente inspirado pelo personagem de Robert de Niro no “Cabo do Medo”).
Apesar da esperança diminuta de algum de vocês algum dia ler estas linhas, aguardo avidamente a vossa chegada quando atingida a maioridade.
Eu e os meus irmãos desenvolvemos o nosso próprio sistema de pontos, sendo que os novatos obrigados à sodomia e felação serão avaliados de forma diferente por especialistas (nós).
É também dada especial atenção aos espancamentos e outros requintes de malvadez.

Aguardo com entusiasmo a vossa chegada

Quicas

terça-feira, 6 de outubro de 2009

#3



Amália ou Detestália?

eis a questão.






segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Encalhanços digestivos

Foi já há uns anos valentes que fui introduzido ao conceito de "ficar encalhado a digerir alguem" a coisa na altura pareceu-me bastante "Jibóiar" uma vez que só as cobras grandes engolem o pessoal vivo e ficam ali a curtir a "moleza" enquanto os ácido do estomago vão digerindo a malta.

Hoje em dia infelizmente compreendo melhor o conceito e não gosto. Sou uma pessoa de digestões rápidas, gosto de comer devagar e arrotar no fim para depois ir á agua, mais a mais falamos aqui de digerir pessoas o que evoca ao canibalismo, tendência que até ao momento ainda não abracei, percebo, no entanto que isto afecte a normal evolução das espécies uma vez que para além do conceito da digestão temos simultaneamente o facto de esta estar encalhada.

Normalmente um bom digestivo do tipo "Aliança Velha" costuma ajudar até porque o álcool a curto prazo é a melhor solução, o problema é se a pessoa em questão é indigesta (como o pepino) e fica a "trabalhar no estômago" causando azia e consequentente arrotos frequentes, aí o alcool não faz grande efeito e tem de se juntar uns "pózinhos digestivos" á receita e a coisa lá vai andando...

Isto vêm-nos lembrar que como seres humanos temos de ter muito cuidado com a alimentação, ás vezes os alimentos que parecem mais nutritivos são como a fruta espanhola, bonita por fora mas amarga ou sem sabor por dentro, há tambem que ter em conta o factor psicológico, ou seja, há aquelas coisas que sabemos que nos fazem mal mas que queremos comer á mesma porque é bom, daí vem a grande máxima "perdoa-se o mal que faz pelo bem que sabe". Este exercício de "enganar o cérebro" não é no entanto muito saúdavel e em última análise só nos estamos a enganar a nós mesmos...

Nisto da alimentação e da digestão e possiveis "encalhanços na mesma" há de tudo: Há quem coma tudo o que lhe metem no prato, há quem só goste de determinadas coisas, há o pessoal "esquisito", os que gostam de "fast food", os vegetárianos... Porque isto da comida traz também algo de ético para cima da mesa.

Fazendo uso de mais uma expressão popular ligeiramente modificada: "Quem têm ética, passa fome" e Eu vou continuar á procura do digestivo ideal.





Manel Luís Trouxa

Segurança no trabalhe...


Reparem que na seta mais abaixo pode-se ler: Faro Capital da segurança no trabalho

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Extra Dry

O que diz um Alemão depois de ser atropelado por um carro.



(Extraido de um comentário de Lady Die)

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Adivinha

QUEM É ESTA SENHORA?



a) Avó do Hitler;
b) Mulher do Pai Natal;
c) Vice-Presidente do PNR



quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Porque é que a vida não é como os filmes pornográficos?

Andando pelas ruas nesta altura do ano pode-se sentir no ar um ambiente languído, aliás é normal, com o calor que se faz sentir as hormonas entram em ebulição, juntando a isso esta apreciável moda dos vestidos ultra leves e transparentes podemos afirmar que temos ambiente. Outra muito apreciável tendência é o facto de até as "trintonas" e senhoras mais experientes se vestirem da mesma maneira que as pitas hoje em dia, esta "uniformização" nivelada por cima é muito bem-vinda, já era tempo das cotas largarem os sacos de batatas e as pitas os fatos-de-treino de viscose e começarem a dar largas á sua sexualidade têxtil.

Criado este ambiente de concupiscência geral e transversal não se consegue compreender como é que não vemos pessoas a fazer sexo tresloucadamente no meio da rua, não lhes apetece? Não me parece que seja esse o problema, é a barreira da comunicação? É o facto de ser desconhecido? Será que é pelo facto de sermos seres racionais e devido à nossa inteligência superior sabemos reprimir os nossos sentimentos melhor do que qualquer outro animal? Será que é porque pensamos demais? Medo da rejeição? Reminiscências do pudor salazarista/católico?

Pode ser a soma de tudo isto ou até mesmo por uma razão completamente diferente aqui não analizada, o que é certo é que a pornografia desmistifica tudo isto:
Apetece-lhes sempre, a comunicação não é importante, é a acção, o facto de não se conhecer a parceira é irrelevante pois usa-se quase sempre o método do coito interrompido (são até bastante inovadores em termos onanísticos), alí não se pensa, age-se, não há cá medo de rejeições, vamos embora e pronto! e Salazar ou Jesus são as ultimas pessoas em quem se pensa quando se está a fazer sexo (salvo raras excepções) Para além de tudo isto aquelas pessoas parecem estar a divertir-se bastante.

Por esta razão parece-me que seria saudável trazer a pornografia para as ruas, para acompanhar esta tendência de modernismo e fazer de Portugal uma zona sexualmente liberada, sem preconceitos e na vanguarda da sexualidade mundial dando novas pinçeladas de côr ao nosso país que vive tempos cinzentos.





José Gaitas

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

"Dronfe le monde"/O neo-eremitismo

O neo-eremitismo está muito em voga, esta parece ser a melhor opção nos dias que correm para quem está farto da sociedade em geral ou apenas das pessoas em particular.

O isolamento sempre foi uma boa maneira de combater chatices e se isso nos corta os laços com tudo o que diz respeito a relacionamentos e comportamentos socias (que afinal é o que se pretende) então temos aqui uma boa alternativa a tornarmo-nos assassinos em série ou violadores éticos. Por outro lado é tambem um excelente exercicio de auto-conhecimento e permite uma reflexão profunda sobre nós mesmos e sobre os grandes dilemas do universo.

Com o avanço da medicina e dos cuidados paliativos e juntando isso a tudo o que já foi aqui referido temos tudo o que precisamos para ser neo-eremitas. As cavernas são obviamente hoje quartos que têm alguns luxos modernos que ajudam o eremita a abstrair-se, tais como: computadores, televisões, qualquer coisa que dê som, ou até mesmo livros, tudo coisas que os eremitas antigos não tinham, o acesso a "drogas desenhadas" vulgo drunfaria farmacêutica é apoiado por médicos que enchem os bolsos graças á ascensão do "Homo-eremitus".

Quando procurei referencias para o eremita contemporaneo eis que me deparo com Henry Thoreau, escritor Americano que escreveu "a desobediencia civil" preso por não pagar impostos porque se recusava a financiar a escravidão e a guerra, que decidiu por fim sábiamente tornar-se eremita, bem... é um exemplo um bocado antigo mas mostra já um eremita diferente do "homem das cavernas" acompanhando assim toda uma evolução no eremitismo até aos dias de hoje.

É preciso dizer que a medicina ajuda bastante o eremita moderno a isolar-se da sociedade, os dignósticos são fáceis... és paranoico? tens de tomar anti-psicoticos, ansioliticos e inibidores da recaptação da serotonina... Fácil. Depois é só colocar em posição fétal e regredir até ao útero materno, o unico sitio onde estivemos verdadeiramente protegidos, repetir o processo diariamente e ao fim de semana nunca esquecer das 3 voltinhas ao bilhar grande... e tá feito. Temos o "zombi produtivo"/neo-eremita controlado.

(Quero deixar aqui um grande bem-haja á industria farmaceutica e aos avanços obtidos nos cuidados paliativos)

terça-feira, 25 de agosto de 2009

A essência das coisas

Tal como Platão que procurava a essência das coisas e as reminiscências da verdade de um plano superior também eu busco o significado oculto de algumas músicas.
É interessante verificar que a interpretação da letra de uma determinada canção não é, por vezes a mais correcta.

Seguem-se alguns exemplos:

O “Smells like teen Spirit” dos Nirvana está eternamente associado à rebeldia adolescente.
Na verdade “Teen Spirit” é um desodorizante que o Kurt (O horror, O horror) estava a escolher no supermercado.

A musica “I used to love her” dos Guns n Roses que todas as pitas apaixonadas associavam a uma morte tipo Romeu e Julieta, não era mais que o palhaço do Axel Rose a levar a cadela moribunda para abate (“But i had to kill her”).

O delírio Fascizoide de Tool no álbum Aenima com o nome de [Die Eier von Satan]The eggs of Satan, é na realidade uma receita de bolos de Haxe em Alemão (sem usar ovos claro).

Quem ouve a música “I don´t like Mondays” dos Boomtown Rats a uma segunda-feira de manhã pensa certamente que este grupo sofria, como a maior parte de nós, de um complexo de Garfield.
Nada poderia estar mais longe da realidade. Esta canção foi escrita tendo por referencia uma rapariga de 16 anos chamada Brenda Ann Spencer, que numa bela Segunda-feira resolveu disparar para um recreio cheio de crianças por mera diversão.

Como diria o Duche Ovni : “The Truth is Out There

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Muito Cuidado Com As Arribas!

Uma arriba caiu e matou uma família inteira na praia;

Um pai matou o filho com um tiro na caça à rola (rolas mesmo);

A Naide Gomes não nos trouxe nenhuma medalha;

Sabem de quem é a culpa disto?

É do Governo.

sábado, 22 de agosto de 2009

Práonde???




(Esta imagem pode ser encontrada noutros blogs mas achei boa demais para não partilhar)

Texto de celebração da Vida

Partindo do facto que vamos todos morrer acho que podemos facilmente perceber que a Vida é uma doença terminal.

Partindo desta premissa básica pouco importa do que morremos... SIDA, gripe A, Câncro, ser atropelado numa passadeira, cirrose, ou mesmo ser atirado a um rio sob a acusação de bruxaria... Vamos morrer.

Para quem não sabía, isto pode ser um choque mas não tendo o poder informativo da CNN queremos ir preparando as pessoas para isto.

É um dever cívico de um blog preparar as pessoas para a morte e tambem tentar afastá-las da monarquia por isso e também antevendo tempos díficeis para a liberdade de expressão quando o próximo rei de Portugal assumir controlo sobre o ciberespaço Português vou dissertar sobre a vida.


A vida
Essa gota de orvalho
E no entanto...

(Baseado num ai-cú)

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

O rei morreu, viva o rei!!!

Parece que houve para aí um semi-atentado bétó-radical/belenenses, com um grande pormenor de classe:(máscaras á la Darth Vader) que consistiu em trocar a bandeira da câmara de Lisboa (uuuuuuuuuuuuUUUUUUUUUUhh, que ofensa NACIONAL...) pela bandeira da monarquia.

Isto num dia normal nem me mereceria comentário, mas só para chatear os monárquicos decidi falar sobre isto:

Mas esta gente quer um rei??? que merda é esta??

Já ouviram falar em evolução??

A sério... isso não lembra ao diabo... alguem acha realmente que a solução é voltar a ter um rei??? alguem se dá ao trabalho de pelo menos dizer o que acha o que se deve fazer a seguir a seguir a ter um rei??

Vamos ser tipo o Mónaco e o nosso rei vai ser aficionado por desportos náuticos??

Gerações vindouras... Vejam estes idiotas e não repitam...



(Este post é dedicado aos monárquicos de Queluz, mas que apanham o combóio e não andam de cavalo)

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Gerónimo o cretino anónimo

Gerónimo é um cretino e esconde-se atrás do seu anonimato para emitir as suas opiniões cretinas, não é nada de novo, sempre aconteceu, durante todo o decorrer da história da Humanidade tivemos cretinos que acham que a sua opinião é algo que se mereça ouvir e fazem questão de a partilhar, antes da internet estas pessoas usavam máscaras e iam aos forums publícos dizer o que achavam, depois tivemos os programas de televisão onde se pede a opinião por telefone, o que tambem permite manter o anonimato também existem as sondagens anónimas mas dessas nem vale a pena falar...

Gerónimo, por seu lado pertence à "geracão da internet" por isso já não teve de passar por todas estas fases, pode assim espalhar toda a sua imbecilidade na "World Wide Web" de uma forma anónima e gratuita fazendo comentários cretinos em blogs sem ter de se preocupar muito.

A tecnologia é de facto algo assombroso, permite a pessoas que antes não tinham visibilidade e a quem ninguem ligava nenhuma ao que diziam, deixar agora a sua opinião acerca do que os outros escrevem, pensam ou fazem (como se alguem estivesse interessado), consigo imaginar estas pessoas fechadas num metro quadrado escuro e bafiento a fazer "buscas" na Net para poderem deixar um comentário sobre o que outros escreveram... É a modernidade... dirão alguns, a aldeia global, mas em como todas as aldeias existe sempre um ou outro atrazado mental, normalmente conhecido como o "bobo da aldeia" e que tem a função de entreter e fazer rir os outros habitantes "normais" (se é que existe tal coisa).

Gerónimo é um desses, quanto a nós, esperamos que este blog esteja a cumprir esta missão social de ajudar os menos favorecidos, que as pessoas a quem não lhes apetece escrever possam sempre mandar um "bitaite" sobre os post aqui publicados, e que para aqueles que ninguem ouve que tenham pelo menos a impressão que aqui alguem dá valor a sua opinião, neste blog gostamos de pessoas utópicas.





António Heterónimo

domingo, 2 de agosto de 2009

Verney


Leona de Almeida
Levava muito na peida
E segundo consta
Também levava na concha







William Costa

segunda-feira, 27 de julho de 2009

O Samba da Caixa de Fósforo

O filho desprezado arquitectou o plano para chamar a atenção do pai. “Vou finalmente mostrar que sou sublime”.
Quando se esperava que este escrevesse um livro sobre a formação dos buracos negros e explicação da anti matéria, eis que surpreende todos com a construção de uma réplica de uma caravela Portuguesa em paus de fósforo.
“É assim que pretendes alcançar a imortalidade?”
Nada poderia fazer. Era próprio da sua natureza, a busca por projectos inconsequentes e infrutíferos.
Quando era já um mestre na arte do pau de fósforo e tinha discípulos que o seguiam para todo o lado com a reverencia devida a um mestre Zen, construiu um moinho de vento em tamanho real e esmagou-o qual D. Quixote.

sábado, 25 de julho de 2009

Hvala Slovenija


Cona lá quer dizer zona...
Thx Nina for the Photo :)

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Idiossincrasias Idiotas da Ixistência

Sinto hoje o peso insuportável
da responsabilidade de ser adulto
Será por ser Levante?
O Levante ataca os malucos.

Mas nem sequer é Levante!

O Levante traz consigo parte do deserto
E o deserto da minha vida
Tem para com este Vento uma enorme simpatia.

De Marrocos vêm também os carregamentos de Haxixe
E com eles a felicidade
Será que a felicidade vem realmente de Sul?
Mas nós já vivemos no Sul
E eu não me sinto Feliz.

Sou hoje um explicador de Matemática
E a parte diletante da minha vida
É Lésbica e apaixonou-se por uma Primitiva.


Asdrubal Co-seno Hiperbólico

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Pelos caminhos de Portugal...(revisitado)


Sítio remoto muito frequentado pelos apreciadores de THC, é daqui que vêm a expressão "Que belo cascabulho!"

Imagem gentilmente enviada por Daniel Dantas.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

#2

É um facto. Por causa do barulho das motas não consigo Concentrar-me na gripe.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Crime imperfeito

A Velha do apartamento ao lado começou novamente a limpar a casa às 7 da Manhã. Como é meio surda e não tem noção do ruído que faz, acorda-nos frequentemente.
Sinto agora o desejo inexorável de a esperar na penumbra do vão da escada, e qual Raskolnikov pós-moderno, enterrar-lhe um machado na cabeça. A culpa deste homicídio hediondo deverá ser imputada ao vizinho do primeiro andar que grita frequentemente impropérios aos filhos e é tido como uma personagem tenebrosa.
O plano perfeito estava prestes a ser executado, mas nessa noite sonhei que estava a pôr em causa o equilíbrio cósmico de todo o prédio. Um distúrbio na linha do espaço contínuo do arrendamento urbano poderia provocar danos irreparáveis no tecido causal de toda a realidade.
Por isso nada fiz... A Velha deverá ser deixada em paz na solidão que a consome e o vizinho do primeiro andar, fuma agora à janela (em liberdade). Eu continuo a acordar às 7 da Manhã.

Estes são os desígnios do Universo.
.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

quinta-feira, 2 de julho de 2009

#1

Adoro o cheiro das milfs p'la manhã,
quando vão levar os filhos à Escola Primária da Penha.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

A teoria dos vasos "Ming"

Esta é uma teoria da minha autoria que tento aplicar a várias circunstancias da vida, nalgumas encontro algum sentido prático que a suporta, noutras nem por isso.

A teoria consiste em:

Na minha mão direita tenho um vaso de valor incalculável da dinastia Ming.

Na minha mão esquerda tenho um vaso comprado numa qualquer loja dos chineses que custa 1 euro.

Deixo cair os dois e ambos partem-se em mil pedaços. De tal forma que é impossível distinguí-los.

Não vou revelar em que circunstancias nem em quais encontro algum sentido prático nesta teoria porque isso poderia deturpar o que voces possam (ou não) retirar dela.





Confúsio

Estes Indianos são loucos...



E o bacano que andou a meter as legendas não é muito mais certo...

terça-feira, 30 de junho de 2009

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Os homens são criaturas simples

Assim como os comunistas falam em consciência de classe, há tambem algo parecido a que eu chamo "consciência de espécie".

Enquanto é certo e sabido que as mulheres são umas cabras umas para as outras nem que sejam as melhores amigas, nos homens há uma espécie de "camaradagem" global e em particular as zangas entre amigos não duram muito tempo, normalmente uma boa "buba" e umas gargalhadas resolvem o assunto.

Claro que este factor da simplicidade misturado com alcóol e gajas ás vezes dá em porrada mas, vemos isso todos os dias no Discovery channel, é a própria natureza que nos obriga a isso mas mais uma vez, normalmente acho isso muito mais "natural" do que as tramas, enredos e intrigas em que as mulheres se metem pra se foder umas ás outras, um gajo é simples: Não gosto daquele gajo, não lhe vou ligar, se me chatear andamos á porrada. parece-me simples.

É tambem engraçado reparar que a maior parte das vezes em que um gajo se chateia com outro é por causa delas... dá que pensar... claro que há outros factores exteriores a isso como por exemplo rivalidades de bairro ou até mesmo de cidade, lutas de gangs e até mesmo excesso de testosterona mas acho que na contabilidade final as mulheres são responsáveis pela maior percentagem de ocorrencias (podia-se fazer um estudo sobre isto).

Os homens geralmente falando tambem conseguem ser bastante mais sintéticos e orientados por um objectivo, atigindo esse objectivo ficam contentes, pode se chamar a isto "simpicidade de procedimentos" tentado sintetizar a ideia que quero deixar aqui vou citar uma frase quando um amigo meu perguntou a outro o que o fazia feliz:

"Esporrar e rir" foi a resposta.





Carlitos (o repórter da noite)

É verão... continuando na linha dos videos "frescos" para vocês... GUNTHER!!!!!!!




Pá... este caramelo é grande patrão, Sueco armado em alemão a dizer "you touch my tralala..." quem tiver interessado em outros trabalhos deste "senhor" vão ao youtube, aconselho tambem uma musica chamada "tutti fruti summer love"

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Trabalhar ressacado

"Isto trabalhar ressacado não dá. Tenho de deixar de trabalhar."

Foi depois de chegar a esta conclusão brilhante (depois de mais um dia a trabalhar ressacado) que decidi que era tempo de falar sobre isto em forma de post.

Não dá para perceber, há todo um historial de dias passados na merda, mal disposto e só a pensar na minha caminha durante todo o dia, já se sabe... uma pessoa não é produtiva naquele estado, é uma coisa que devia estar prevista no código do trabalho "tá de ressaca não vai trabalhar".

Há dias em que a manhã até passa rápido devido á quantidade de alcóol que (ainda) circula no corpo, mas depois do almoço é o terror. Suspiros, ansiedade, mau estar, todos estes são sintomas de quem passou a noite passada na rambóia e vai trabalhar no dia a seguir.

A questão aqui é: todos nós sabemos disto então porque continuamos a insistir? No meu caso pessoal a resposta é clara: nunca abdiquei de fazer o que me apetece no presente por um futuro que não sei se vai existir, sou mais dado ao prazer do momento e nunca pensei muito nas consequencias que isso pode trazer, mas isso sou eu, e o resto da humanidade que vai trabalhar ressacada? Qual é a desculpa deles?

Haverá algum problema comigo porque gosto mais de sair do que trabalhar? Alguem gosta de trabalhar? será porque uma coisa é imposta e a outra nós escolhemos fazer?

Esta situação fez-me tambem pensar no facto de Portugal ser um país onde a religião católica tem ainda um grande peso, normalmente isto daria azo a uma série de desatinos acerca da virgindade da Maria e o papel do carpinteiro no meio disto tudo, mas não é o caso. Estou muito contente por este facto, por nós sermos uns saloios religiosos fiquei 2 dias em casa a curtir os santos populares, essa festa tão religiosa em que toda a gente está mais bebada do que eu (se é que existe tal coisa) e se dança musica "pimba" frenéticamente, nesta altura a fauna das ruas torna-se tambem mais agradável á vista talvez devido ao efeito do alcóol. Tudo isto devido a que? Aos santos.

Prefiro a religião ao trabalho, 1000 vezes. Os padres bebem vinho no trabalho, os santos trazem raparigas bonitas para a rua e em países como o nosso não se trabalha.

Mais feriados religiosos, por favor.




M.C. Rrose

domingo, 31 de maio de 2009

Martuning


O pequeno Martunis decidiu aderir ao "tunning"
(reparem como ele "quitou" o ouvido) jantes de
liga leve de certeza.

sábado, 30 de maio de 2009

A verdadeira história de "Don" Quijote

Quijote mora num bairro comunitário á entrada de Huelva mas não se iludam, ele é um "Don" no verdadeiro sentido da palavra, quando vai a algum sitio faz-se sempre acompanhar do seu fiel guarda-costas Sancho que lhe tira o casaco branco quando a etiqueta assim o exige, enfim, é um senhor, não mexe o cú para nada, deixa o trabalho sujo para o fiel gordo que o acompanha.

Parece-me pertinente referir que o gordo é agarrado ao "rébolao" (mistura de branca + castanha), completamente obcecado por essa substancia faz tudo para a conseguir, o seu trabalho é o sonho de qualquer agarrado que se preze: trabalha para o "Don", assim nunca tem ressacas.

A fidelidade de Sancho ficou provada num dia em que "Don" estava completamente fora de si a ter sexo não protegido com uma "muchacha" que encontrou na rua, Sancho ao ver tal acontecimento começou a correr em camara lenta (estilo Hollywood "suspense") e atirou-se completamente em vôo conseguindo sacar a pixa de Quijote milésimos de segundo antes da ejaculação conseguindo efectuar assim com efeito o método do coito interrompido (a "muchacha" em questão era afinal uma prostituta com Sida). Nesse dia passou a ser o braço direito do "Don" pois foi com esse braço que sacou a pila de Quijote de dentro da "espanholita" e passaram a ser inseparáveis.

"Don" Quijote dedica-se essencialmente ao narcótrafico e é daí que provem toda a sua pequena fortuna conseguida toda ela por métodos anti-capitalistas: começou pela pequena deliquencia aos 16 anos, dedicando-se depois ao contrabando de alcóol e tabaco, até chegou a vender armas mas depois ganhou juízo e entrou no caminho certo onde ainda hoje se mantem: a droga.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

De olhos bem fechados

Há uma altura da vida em que metemos tudo em questão.

Tudo isto é devido ao lapso espáço-temporal em que no presente achamos que estamos a fazer bem mas depois, mais tarde reconhecemos que se calhar não era bem assim.

O grande problema nisto tudo é disponibilizar-mo-nos a confiar. O exemplo clássico é alguem que já confiou plenamente em alguem (sim, porque não se confia em objectos) até que teve razões para por tudo em causa. É uma sensação engraçada a de cair em "queda livre" tudo isto depende, mais uma vez de pessoa para pessoa e para algumas pessoas isto é encarado como um "alívio" ou algo normal, para outras é apenas desconfortável o que é certo é que obriga-nos a repensar a nossa realidade.

A palavra-chave aqui é confiança e temos de ter uma coisa em mente: a verdade absoluta "de mim sei Eu". Claro que nós sabemos o que se passa comnosco, somos nós. Agora o que se passa com a pessoa que decidimos partilhar a nossa realidade já não é bem assim... e isso pode causar alguns problemas.

Chega uma altura em que tudo é posto em questão e coisas que nós tomávamos como garantidas afinal não são bem assim... faz-se um exercicio de lógica e chegamos á conclusão que confiar é estupido... não faz sentido. Micro-realidades paralelas são criadas consoante o nível de paranóia e imaginamo-nos a fazer figura de "tótó" enquanto pensávamos que estava tudo bem.

A paranóia pode ser mais escabrosa que a realidade mas pelo menos é personalizada e já que não podemos saber tudo só podemos imaginar...

Depois vem a importancia que damos ás coisas e ás pessoas e é isso que vai determinar a quantidade de sofrimento, nesta equação importa ter em conta tambem variáveis como o tempo, a distancia e o silencio. Um dia acordamos e descobrimos que não queremos saber de nada, que é melhor assim e que ficar na ignorancia ás vezes é mesmo o melhor, descobrimos tambem que imaginar situações que desconhecemos é entrar no campo da especulação e que tortura mais do que ajuda.

Depois de reconhecer esse facto o nosso cérebro começa por si mesmo a meter "firewalls" em certo tipo de pensamentos e esse é o primeiro sinal que estamos a ficar melhores, começamos a relativizar e redefinir conceitos, lambemos as feridas e mandamos toda a merda para um canto escuro, ficamos a saber quem são os nossos amigos e depois de meter um penso rápido na alma seguimos o nosso caminho de olhos bem fechados (que é a melhor maneira).





Paco Niña

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Segways prós carteiros

Por vezes neste blog tambem se produzem posts úteis, é verdade.
No outro dia estava a pensar como é ingrato ser carteiro numa cidade como Lisboa, com tanta merda de subida e descida carregados com um saco pesado ás costas com as cartas da malta. Esta situação torna-se ainda mais penosa nos meses de Verão quando as temperaturas aumentam e os nossos amigos carteiros passam autenticas provações.

Depois por outro lado vemos os policias que passam o dia a roçar o cú nas paredes a passear garbosamente nas suas "segways". Isto não faz sentido.

Vai um policia perseguir um bandido montado na sua "segway"? dá jeito?

Vai o policia perseguir o bandido a pé á "maneira tradicional" deixando assim a "segway" á mercê de outros bandidos?

Não me parece que esta medida vá ajudar em grande coisa a nossa força policial a combater o crime, aliás até consegue tornar os agentes de autoridade (ainda) mais rídiculos e alvo de chacota publica ( e privada), acho que esta situação personifica na perfeição a expressão "dar pérolas a porcos".

Por outro lado aos carteiros se calhar dava mais jeito ter um aparelho que lhes permite uma deslocação motorizada individual, se calhar ajudava as cartas a serem distribuídas com mais fluidez para além de facilitar a vida ás pessoas que nos entregam as contas.

Tirem as "segways " aos policias e dêem-nas aos carteiros. Este podia ser o "slogan".

É apenas uma questão de re-distribuição de recursos...




Zé (o carteiro a motor)

terça-feira, 26 de maio de 2009

Vazio de ideais

A pergunta parece-me ridiculamente pertinente:

Irá a juventude betó-radical dar o seu voto ao Zé Colmeia ou ao Pepe Legal?

Uma coisa é certa: vai ser uma decisão muito difícil de tomar (a gerência deste blog aconselha a só tomar metade de cada vez) pois ambos têm estilos distintos dentro do centro-direita deixando assim a juventude beta confusa...

Pepe legal(1) é o guru do estudante de direito que já se veste e comporta como o pai desde os 14, pai este que é o seu modelo de "tacho" a seguir na vida, por outro lado Zé Colmeia(2) é mais astuto. Como uma toupeira e alia duas grandes qualidades: é oportunista e cínico (duas qualidades indispensáveis para ascender politicamente em pouco tempo)

Uma coisa é certa... o xérife Pena Kid(3) vai-se ver bem entretido a comandar esta "coboiáda Lusitana" antes de ir com os porcos e Portugal for para parar a boas mãos outra vez.

Votar é engraçado.

(Num plano onde a pura ficção impera (1) seria comparável a Pedro Santana Lopes, (2) a Paulo Portas e (3) a Cavaco Silva mas... Vamos ser sérios...)





Bernardo de Vasconcelos e Cunha Villas-Boas

sábado, 23 de maio de 2009

Questões pertinentes

No tempo de Jesus a construção em altura imperava.

Naquele tempo... Jerusálem encontrava-se invadida por "patos bravos" do tipo "Jota Pimenta" que prometiam um condomínio fechado só para judeus ao lado da estação de metro de "Gaza".
"Fariseus!" disse Jesus (e com razão)
A malta do metro do médio oriente não ligou e hoje bem se vê a merda que deu...

A Fátima e o cristo-rei encontraram-se, ao que parece foi a primeira vez que um pedaço de madeira e um bloco de cimento moveram tantas pessoas ao mesmo tempo (e barcos) sem falar da TVI. Os peixes do rio Tejo dispensam azeite.

O rei Midas deve tar a dar voltas no seu túmulo agora que os produtores de azeite do Fundão decidiram por Ouro no azeite. Justificação: Tem fins terapeutipcos... Merda! digo eu.
Se tivesse muito ouro não tinha problemas, isso era TERAPEUTICO. "Cagar ouro??? bora!!"

Qual a solução?

Beber azeite até ter um figado de alto quilate?




Febre Ourina

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Histórias de faca e alguidar

O bebado bate na mulher, a sogra grita e chama a polícia, após ter cometido este acto ireflectido lembra-se que a polícia não serve para nada e telefona tambem ao seu filho gordo.
O bebado grita: "EU MATO-TE CABRA!"
A cabra chora.
A sogra grita: "EU ODEIO-TE!".
Após alguns instantes de tensão aparece um agente da PSP com um ar amistoso que educadamente pergunta: "Ora então o que temos aqui?" "Há algum problema?"
Os urros loucos do bebado mesclados com o choro da cabra ecoam pelo prédio, o agente observa, estagnado, de repente outro urro masculino ouve-se nos arredores: O filho gordo (e já agora, bruto) chega pronto para dar umas valentes cabeçadas e umas valentes galhetas com as costas da mão (como só os gordos sabem, tipo "Bud Spencer") no bebado, que por acaso tambem lhe devia dinheiro.

O agente depois de um esforço sobre-humano consegue articular um pensamento: "Isto vai dar merda" pensou ele "Vou ter de dar um tiro num".
A tensão instala-se na Penha...

Entretanto o agente com a maior patente que havia na viatura de patrulha lembra-se de sair do carro enquanto os outros olham para ele com a maior devoção.
O filho gordo, o bebado, a cabra e a sogra param por instantes, espantados com tal situação.
"É o inteligente" explica o primeiro agente a chegar á ocorrencia.
Em toda a sua carreira de polícia nunca se tinha deparado com semelhante situação, como proceder? Que alvos abater? Quem nos suborna nestes casos?
Perguntas muito para além da capacidade de resposta do sub-chefe Ramiro.
No calor do momento o sub-chefe lembra-se de perguntar porque é que não vão todos para casa? o que pareceu uma ideia sensata e digna de um autentico profeta urbano.

O bebado foi dormir para o carro e mijou-se todo.
O filho gordo foi para casa chateado por não ter aviado umas galhetas.
A cabra e a sogra foram-se deitar.
A polícia foi para uma tasca comer á borla e implicar com os bebados como sempre mas aquele momento de destreza intelectual do sub-chefe Ramiro ficou na memória de todos.

Eu finalmente vou conseguir dormir.





Insónia Araujo

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Os colhões adormecidos de Gulliver

Gulliver curtia fumar umas ganzas e mamar uns copos, afinal de contas o homem era humano... certo dia, já bem "aviado" o nosso amigo decide fumar um bongo á porta de um bar "underground" (sim, Gulliver era dos nossos.)

Fumou, encostou-se á parede, baixou a cabeça que lhe parecia pesar uma tonelada, abriu a boca, libertou 4 jactos de gregório compulsivamente e arrochou em cima do vómito, o publico presente aplaudiu e apreciou a performance, mas a fama é efémera, e pouco depois cagaram para ele e foram beber. Gulliver continuava na paz dos anjos a dormir como um bébé, aquela rua fria e irregular parecia-lhe uma cama, pouco depois, outro vulto alcoolizado e claramente debaixo da influencia de algum produto psicotrópico sai do bar, e ao deparar-se com aquele cenário deprimente diz:
"Fodass! aqueles bacanos tão em cima dos respectivos grómitos", lembrou-se daquelas estrelas de Rock que morrem afogadas no próprio vómito e foi lá ajudá-lo(s), quando se aproximou do corpo que calmamente dormia estendido no passeio reparou que o conhecia:
"Épa! é o Guli!" "Guli!" "Guli!" "Acorda caralho!" "Tás todo cagado!"
Gulliver abriu os olhos o suficiente para entrar de novo no carrosel edílico, e respondeu-lhe:
"Vai para o caralho, eu tou bem."
O amigo insistiu que ele não deveria permanecer ali naquele estado e porque estava de carro, ofereceu-lhe boleia para casa, Gulliver cagando completamente para as boas intenções do amigo responde já de olhos fechados:
"Eu tou bem!" "Um homem já pode descansar?"
Depois de tal argumentação, o amigo não teve outra hípotese senão "bazar e meter as boas intenções pelo cu acima" como lhe tinha recomendado Gulliver.

A noite foi avançando e Gulliver continuava no seu coma consentido, um grupo de "junkies" que iam a passar viram aquela cena e sentaram-se junto a ele e começaram a "fabricá-los", tinham apreciado a paisagem urbana e sentiram "o chamamento da terra" (e o cheiro era-lhes familiar).
Gulliver embora a dormir sentiu o aroma a axe e abriu os olhos para grande jubilo dos junkies:
"O man acordou!" "Tass bem?" "Anda lá fumar uns porros com a malta!"
Gulliver pensou: "Já vomitei... não há razão para continuar a arrochar" e levantou um braço para lhe rodarem a ganza (sempre com a cabeça junto ao chão pois qualquer para levantá-la era infrutifera e causadora de nauseas) Gulliver virou ligeiramente a cara para o lado esquerdo de modo a conseguir fumar, o que fez de modo decidido, sem vacilar. Os "junkies" estavam contentíssimos e já pensavam em eleger Gulliver como o seu guru, rodaram-lhe outro "porro" mais forte ainda ao qual ele não disse que não, e de novo sem vacilar, prostrado na sua poça de vómito fumou-o compulsivamente.
Depois de tal façanha Gulliver começou a ouvir um "zumbido" muito agudo que ia aumentando progressivamente de intensidade até deixar de ouvir por completo, tinha chegado ao que se chama na gíria do Pinball o estado "TILT" e dali nao se mexeu mais até ao nascer do sol.

Quando acordou, deparou-se com o insólito: tinha uma puta a chuchar-lhe o cano mole e inerte, e a dar bombadas nos seus colhões cheios de alcool, a puta tinha algo de místico, parecia uma puta das fábulas infantis, Gulliver agradeceu-lhe o esforço que tinha feito mas explicou-se:
"Ele acorda sempre depois de mim..."
Levantou-se, despediu-se gentilmente da puta e bazou aos "esses" pela rua acima em direção a casa.

A azáfama matinal sentia-se no ar, as pessoas começavam, mais uma vez o seu ritual repetido até á exaustão, levantar, trabalhar ,comer e dormir, mas Gulliver no seu estádo precário ria-se deles:
"Pobres idiotas!" pensava ele "Hão-de morrer sem nunca ter vivido"
Os olhares reprovadores dos camelos podiam parecer facas a qualquer pessoa, mas Gulliver cagava de alto neles, cagava literalmente, os seus peidos eram audiveis a um quarteirão de distancia. As velhas beatas benziam-se quando passavam por ele, ás quais ele respodia com um gentil escarro verde e castanho "Putas de velhas" pensava ele, o seu corpo estava definhado pela secura e azia (reminiscências do gin tónico?) mas a sua mente estava estava envolta numa inconsciência consciente, e estava seguro de si.

Quando Gulliver chega por fim a casa, o seu ultimo reduto, mais especificamente o seu quarto tirou a roupa que tresandava a vómito misturado com alcool semi-fermentado e atirou-a para o chão da casa de banho e nada o poderia preparar para o que a seguir se seguiu...

Estupefacto, Gulliver esfregou os olhos mas era verdade: os seus colhões estavam repletos de liliputianos, pequenos seres que se serviam dos seus "sacos" para as mais diversas actividades: uns andavam de baloiço nos seus pintelhos, tinham aulas no espaço entre o colhão direito e o esquerdo e brincavam ao apanha no intervalo.
Depois de olhar com mais atenção reparou que todas as actividades (primária, secundária e terciária) estava representadas nos seus colhões , eram como que uma micro-cidade, existindo fundações de míniculos prédios e habitações assentes no seu escroto, deseperado Gulliver decide ir ao seu stock de THC e prepara um grande besugo para assentar ideias, põe um som relaxante e deita-se a apreciar o fumo e o som numa espécie de ritual pós-buba, quando acabou tinha chegado a um novo estado de existência, tinha o cérebro dormente como uma espécie de formigueiro gigante que o impedia de pensar, de seguida começou a olhar fixamente par as paredes do quarto sem olhar especificamente para nada, aquele estado de autismo agradava-lhe, era como que, um analgésico para a alma, de súbito Gulliver voltou a lembrar-se da sua visão de pequenos seres que promiscuamente se tinham instalado de armas e bagagens nos seus colhões, mas como se tivesse sido algo de irreal e distante. "Tenho de para de meter acídos", logo de seguida volta a olhar para a região púbica e apercebeu-se que não tinha sido um flashback derivado ao abuso de LSD.

Era REAL!! lembrou-se do Artur Albarran e começou a gritar "É REAL!!! REAL!!! IMAGENS REAIS!" correu para o chuveiro onde começou a esfregar frenéticamente os colhões mas para sua grande surpresa os liliputianos eram impermeaveis.
Já quase completamente consumido pelo desespero reparou que um destes pequenos seres estava a olhar para ele e tentou estabelecer contacto verbal:
"Take me to your leader" disse com pouca confiança, o pequeno ser começou a correr até desaparecer no matagal de pintelhos de Gulliver para voltar de seguida com o que parecia ser o ancião destas criaturas liliputianas que lhe disse:
"What do you want?"
Gulliver como que desabafando em voz alta deixa escapar um pensamento em vol alta:
"Até estes cabrões falam Inglês..."
O ancião responde:
"Claro, é a lingua franca da Europa, quem não fala está fora, para além disso é bom para o turismo".
"TURISMO??" "Nos MEUS COLHÕES?" replicou Gulliver já num tom de paciência perdida, ele era grande apreciador do surrealismo mas aquela situação estava a ser, de facto insustentável.
"O que é que vocês fazem nos MEUS COLHÕES?"
O ancião aconselha-o a ter calma e começa a explicar:
"Os teus colhões produzem uma espécie rara de fungo, fungo esse que é segregado pelo tronco do teu caralho, esse fungo é indispensável á nossa sobrevivência e só nasce em colhões com características específicas, como os teus."
Gulliver sentiu-se honrado pelos seus colhões terem algo de especial, mas continuava com duvidas:
"Como é que vieram cá parar?"
O ancião sorriu e disse-lhe "Lembras-te da puta?"
"A PUTA!! Eu sabia! aquela puta não podia ser nada de bom..."
"Aquela puta..." repete o ancião "Não era puta nenhuma, era sim a foda-madrinha dos liliputianos" e continua "E ela não te estava a dar bombadas nos colhões, estava sim a analisá-los para ver se reuniam as condições adequadas a nossa sobrevivencia"
"Então e porque é que me estava a mamar o caralho?"
"Isso não sabemos. Mas acho que ela de vez em quando tambem merece curtir a vida, não?"
"OK é justo, até lhe lhe dava um foda se ela quisesse" respondeu Gulliver
"Uma foda-madrinha" respondeu o ancião.
Ambos começam a rir com cumplicidade
"Tu e teu povo até são boas criaturas, pelo menos tem sentido de humor..."
"Então não te importas que habitemos nos teus colhões?"
"Não, é na boa agora preciso mesmo é de dormir um bocado"
Gulliver abriu a boca e engoliu 3 comprimidos "Serenal 50", de seguida fabricou mais uma ganza e fumou até adormecer.

Gulliver dormiu durante 3 dias e 3 noites e quando acordou tinha a cabeça tão leve que parecia um balão de hélio, sem saber porque lembra-se da conversa que tinha tido com o ancião dos liliputianos antes de adormecer e sentiu saudades... sim saudade essa palavra tão portuguesa.
Virou-se para um liliputiano que estava a passear no seu colhão direito e disse de novo:
"Take me to your leader" (a palavra mágica) mas, desta feita a resposta foi diferente: o pequeno liliputiano responde-lhe em ar de desafio:
"Only sheep need a leader" "Nós agora somos uma federação anarca e não temos líder"
"É justo" concluiu Gulliver "Eu sempre apoiei a auto-gestão anarca, mas onde é que tá o cota com quem eu falei?"
"Foi ostracizado para os cabelos do teu cú. Tinha ideias comunistas e teve o que merecia foi exilado para o gulag".

Estes pequenos seres tinham uma noção acutilante da realidade.

sábado, 9 de maio de 2009

Midlife crisis

O ser humano envelhece e morre, não há nada a fazer, Eu, como bom ser humano que sou, não fujo a esta regra e por enquanto continuo a envelhecer.

Uma pessoa tenta ser optimista em relação ao avançar dos anos e vai-se tentando convencer que está a ficar mais responsável e maduro, para alem de ganhar experiência e "calo", mas a verdade é que estamos a envelhecer e os melhores anos da nossa vida vão ficando para trás, uma das coisas que tenho reparado é que a paciência esgota-se muito mais rapidamente.

As pessoas, para serem simpáticas dizem-nos sempre que parecemos mais novos, ou então usa-se uma qualquer frase feita do tipo "aos 30 é que começa a vida!" Enfim, uma das coisas positivas que se ganha com a idade é a "resistência á desilusão": á medida que vamos envelhecendo vamos ficando mais cépticos e pouco propensos a ideiais ilusórios (ficamos mais "terra-a-terra") logo, a capacidade de enfrentar potenciais desilusões esbate-se na indifrença do tempo, nesta mesma proporção, quanto mais vivemos, mais pessoas conhecemos e a quantidade de "bestas" que nos aparece á frente aumenta drásticamente levando-nos a reduzir até quase á insignificancia a fé na raça Humana. Da observação directa deste facto deriva também o "processo selectivo" que fazemos e da forma como escolhemos as pessoas que nos interessam e cagamos para as que não interessam, as com quem queremos estar e aquelas que queremos ver (bem) longe.

A assertividade ganha-se também com a idade, têm-se uma melhor ideia do objectivo e não se perde tanto tempo com merdas (o acumular de erros pode ser um factor importante no processo de aprendizagem). Não há muito que se possa fazer, envelhece-se e pronto, apercebi-me que se viver até aos 60 (o que até é uma perspectiva optimista) devia estar agora a passar pela minha crise de meia idade...





Mesquita Perestrelo

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Esta semana no sítio do costume...(a publicidade e as novas economias emergentes)

Hoje ligamos a TV ou o computador e apanhamos logo alí de chapa mesmo no trombil, anúncios de produtos cuja existência desconhecíamos, e que a falta que nos fazem é tanta como a vontade de levar no cú. Enfim, a publicidade já não é o que era. O avanço tecnológico roubou o romantismo às técnicas promocionais, que outrora eram utilizadas para fazer chegar até nós a existência dos bens de consumo necessários.
Lembro-me de quando era pequeno assim que vinham os primeiros dias cinzentos de Setembro, ouvia-se na rua um som de flauta-de-não-sei-quê que era tocada por um senhor que andava pela rua com uma bicicleta adaptada a arranjar guarda-chuvas e a amolar facas. Fazia pequenos biscates artesanais, e com um “toque corrido” na flauta, que fazia a vez de “pregão” anunciava aos moradores da zona os seus serviços. Os pregões como formas de publicidade rudimentares felizmente ainda se praticam nos dias de hoje, e embora estejam quase moribundos são em certas situações mais frequentes do que supomos. Nas praias ouvimos amíude: “olha a bolinha de Berlim” do homem dos bolos, ou o célebre: “é frut-ó-chocolate”, quando de gelados se trata. Nos mercados e feiras as varinas ou os tendeiros gritam ou utilizam megafones oferecendo o peixe mais fresco ou 10 pares de peugos rotos por 1 euro. De porta em porta andam mórmones ou testemunhas de Jeová, que nos tentam impingir o seu produto: um lugar cativo no céu para que, quando chegar a hora de ir ter com o Criador não fiquemos a dormir na rua, no meio das nuvens talvez. Uma espécie de agentes imobiliários do firmamento. Nos locais recreativos nocturnos promovem-se romances com flores de estufa tão mirradas quanto as promessas de felicidade que evocam: “Ké frô?” Mas nos baixios marginais da estrutura social, a publicidade tem uma importância fulcral, e é essa que mais aprecio. Basta ir a uma zona de má fama onde belas donzelas libidinosas de lábios suculentos e decotes exuberantes nos prometem o céu na terra, através da transcendência carnal pela experiência. Nas proximidades há vendedores de “alegria” que anunciam o seu produto discretamente: “olha a branca; é da castanha; goma afegã” etc, embora o pregão usado nestes locais, que marca a qualidade do produto e que realmente conquista a confiança do consumidor também pela sua capacidade de síntese, é sem dúvida o: “é da boa”. E está tudo dito.


Consumidor anónimo (sabe-se lá do quê)

domingo, 3 de maio de 2009

Maio de 69

"Maio é um mês de mudanças..." baseado neste facto decidi tambem abraçar a "onda de mudança" que paira no ar e mudei de casa. (o facto de me ter sido dado até ao fim do mês passado para sair de onde estava também ajudou um bocadinho...)

Andar a ver casas é chato mas quando o tempo não corre a nosso favor tem de ser, depois de um périplo pelo sub-mundo do arrendamento urbano Lisboeta foi decido mudar para uma casa que fica a 5 minutos da ultima mantendo assim a primeira das premissas a que nos propusemos: tentar ficar na mesma zona, outra das grandes vantagens é que as mudanças puderam ser feitas a pé.

Para além de me livrar da Dona Isabel (a minha ex-senhoria que me entrava em casa quando lhe apetecia e achava que era normal) ganhei uma janelinha catita no quarto que permite a entrada de luz natural ao mesmo tempo que facilita a circulação de ar/fumo (bastante importante).

Depois de grande meditação e reflexão sobre como optimizar espaços, o espaço vai ganhando a sua forma e o Homem... esse... é um animal de hábitos.

Tambem enquadrado neste cenário de mudança Maio é também o mês astrológico do Touro, perfil no qual me enquadro e segundo a Maya isto vai ser bom tendo em conta a conjuntura dos planetas, eu não costumo ligar muito a estas merdas mas como começo a ficar cota e vou mudar de casa decimal este ano (a mudança... lá está!) qualquer ajuda é boa.

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" e desde que começou Maio que tenho uma enorme vontade de comer caracóis, mamar cerveja e sentir a brisa primaveril a passar.





Fanã (da acelera)

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Dupla de peso


Numa rara aparição exclusiva para o rosaxokk
Panda Leiro e Haltere Ego, juntos e a cores
só para os seguidores deste blog.

Pita Shoarma

Tu gostas é de beber, és um bêbedo!”… e pensei eu “Então e tu? Gostas de foder, és uma puta!!!”

Puta ou não, mais parecia uma acompanhante de luxo armada em dona de casa, a xingar-me os cornos porque lhe cheirava a álcool e a tabaco e tinha lavado a roupa. Ao que se chega por decisões atamancadas e relações amorosas mal resolvidas.Fez-me pensar que, de facto, há situações chatas para as mulheres mais velhas, que estão “encalhadas” e querem à força um homem e uma vida “normal” pois o tempo urge e só se deve ter filhos até aos 35.

É fácil conhecer um puto tenrinho com uma casa e um carro que tenha um salário mais ou menos, e que se fascine por quem lhe lamba a pila. É fácil ir morar com ele, oferecer-lhe o ânus e pensar que, enfim, lhe vai ensinar umas coisas e ser feliz para sempre. O problema é que os putos em geral gostam de foda, mas adoram rambóia e cópo-fonia. Nos primeiros 2 meses elas até curtem a onda mas depois calçam as pantufas, só se arranjam para ir trabalhar, não se penteiam, e andam de fato de treino pela casa… e os putos não gostam disso. Esta parte toda a gente já sabe. O pior é que pouco a pouco, o sexo (anal ou não) começa a deixar de fazer parte do quotidiano do casal: “agora não me apetece, estou cansada…” Quantos de nós já não ouvimos esta frase? Quantas anedotas não existem sobre isto? Aí é que a porca torce o rabo (a porca ou uma gaja boa que apareça com vontade de levar com ele…).

Por fim, no redemoinho das lamúrias dá-se a dolorosa, mas necessária, separação. Cada um para seu lado. A mulher sente-se cada vez mais encalhada, mas desta vez como uma orca que mordeu o leão-marinho mas morreu na praia. Só lhe restam as memórias dos coirões ricos que comeu anteriormente, e da boa vida que levava quando estava em casa dos pais. A morte é lenta e o balanço são mais 2 ou 3 aninhos em cima com a roseta ainda mais dilatada. Que experiência de vida!

Vá lá que para um gajo a coisa é mais simples. Se as mais velhas não dão, há que voltar à maneira clássica e tradicional de fazer as coisas:
Um gajo é sempre um pai para uma pita!(e um bêbado para uma encalhada).




Julio (apenas Julio)