quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

O panda Leiro


Leiro é um panda grande, os pandas da rua dele quando o vêem dizem:
-Olha! aí vem o grande panda Leiro!

Recado sentimental


É impossivél um homem não vibrar com um bom broche.

Mas do vibrar ao compromisso vai uma distância abismal. As gajas não têm noção disso.
Usam o incontornavél prazer de um broche para passar uma mensagem, um recado sentimental.
Há as que não curtem muito chupar pau e não são capazes de o assumir, para não ficares com a ideia de que não são bestas sexuais. São as piores... começam por utilizar o broche como um prémio, um evento especial, uma recompensa por seres um bom cão. O remédio para este tipo de caso é confrontá-las:
- Atão? Não gostas de me dar beijinhos no gingarelho? Parece que é só quando o rei faz anos! Não gostas que te lamba a crica? Pois, eu também gosto que me humedeças a glande.
A resposta é invariavelmente positiva, do género: “-Não! Claro que gosto!”. E começam a chupar o galhardo, ou no proximo momento intimo fazem questão de provar que aprenderam a lição.
Este tipo de chupadora de pau dominadora, leva-me a dissertar sobre um sub-tipo de chupadora-dominadora: a chupadora do compromisso.
É o tipo de chupadora de pau, que até te pode lamber o ganha-pão todos os dias, mas há um dia especial: um dia em que te tenta transmitir o recado sentimental, vulgo chupa-e-engole (na práctica é o que acontece, é o fenómeno na sua vertente fisica, material, pragmática, mundana).
A frequência com que isto acontece, depende de várias variaveis:

Se está arrependida de algo que se passou, um erro que cometeu; e procura a redenção pela subserviência oral; Se quer demonstrar apreço por um favor ou um agrado forte que fizeste há pouco tempo;Se quer que a vossa relação dê um passo em frente, quer no que diz respeito ao grau de compromisso, quer o objectivo seja um aumento da frequência dos encontros sexuais.
Este tipo de situação do “Tás a ver como eu gosto mesmo de ti? Eu amo-te! Engulo a tua langonha para o provar! Recebe este meu sacrificio!”, é a pior, e é a que me faz menos sentido.
Na inocência e candura de um orgasmo oral, és bem capaz de cometer o erro de dizer que “não era preciso engolires”. Apressa-se logo a dizer: “mas eu gosto do sabor” (mentira escabrosa).

Estamos perante a chupadora-dominadora mais evil de todas: a que pensa que chupando-te o pau e engolindo a tua langonha, engole-te e ao teu coração. Pensar que o piço está ligado ao coração é um erro crasso das mulheres. Quando éramos jovens e insensatos até podia ser, mas agora que primamos pela maturidade e barroselice, um broche é um broche. É bom demais, mas é um broche, e nada mais que um broche. Gosto muito que me chupem o pau. Mas usar essa ferramenta de prazer como arma de sedução ou moeda de troca não é justo. Porque gosto de lamber uma boa crica lavadinha e cheirosa, mas gosto mais de uma jogada de prazer simultaneo, ou de alternância. Lamber uma cona em seco é que não tá com nada. É obvio que podia entrar no mesmo jogo pernicioso e malvado de chantagem sexual, mas sabes que mais? Sou melhor que isso. Lambo cona sem pedir nada em troca. Mas se a situação se repete sem me chuparem o pau – vai com o caralho! Que se ponha nas putas! Não quero mais disso. Vou bater a outra porta. Para esse peditório já dei (depois admiram-se que um gajo se agarre a uma gaja, que tenha como atributo principal, chupar com regularidade). Conclusão: Mulheres deste mundo: chupem o pau do vosso homem amiúde! Não precisam de engolir (pelo menos sempre). Não pensem é que estão a usar um “special” que vos permite ter acesso a tudo. Dêem as vossas bombadas sem nada pedir em troca. Quando lambo uma cona, nada peço em troca, mas o belo do broche é sempre benvindo e apreciado.

Sexo=sexo. Sexo não é amor nem compromisso.
Sexo=prazer. Sexo faz-se a 2 (ou +).
Não queriam igualdade? Que haja igualdade na entrega sexual– no strings attached. O sexo não pode ser uma arma. O sexo é um meio, uma ferramenta. O sexo é um martelo – usa-o de forma libertária e igualitária. Abaixo a ditadura do broche sentimental! O broche é um direito! (tal como o minete).



Barrosíadas

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Só queria comprar laranjas


Dizem que as laranjas do Algarve são das melhores do mundo. O segredo está na variedade, que cá existe há centenas de anos. Na semana passada resolvi comprar algumas na 125 Azul (a 125 estava azul depois do ácido que tomei). Acordei no dia seguinte com duas putas na cama. Eram excelentes (as putas, as laranjas nem por isso), dissertavam sobre “O Capital” de Karl Marx que eram obrigadas a ler na escola primária (uma vez que eram originárias do antigo bloco soviético). Eram realmente excelentes criaturas que punham em causa a frieza que é atribuída (com algum preconceito) a todos os imigrantes provindos dessa zona do globo.


O conforto humano entorpeceu-me os membros. Na lividez da sua pele perdi-me em analepses e prolepses. Revi novamente os tempos em que apanhei laranjas e atirava as podres para debaixo da árvore. As laranjas podres com o seu tom esverdeado despertavam sempre algo de solidário em mim. Sempre me imaginei a apodrecer sozinho no meio das árvores esperando que alguém me esborrachasse e o meu fim aprouvesse a alguém.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Dizem eles em coro

Casamento entre homossexuais: NUNCA!

Quem é que mete mais medo?

Don´t quit your day job

A frustração consome normalmente todos os escritores que tardam em ver os seus trabalhos reconhecidos. Para muitos esse reconhecimento vem mesmo a título póstumo (post mortem). Kafka, por exemplo, mandou mesmo queimar todos os seus textos para não ter que lidar com a fama num plano superior kafkiano (por si criado) após a sua morte. Valeu-nos (ou não) a intervenção de Max Brod que evitou esta perda para a literatura mundial.
Escrever é de facto uma inutilidade. O escritor moderno (de notar que eu não me incluo nestas categorias: nem em escritor, nem em moderno) tem sobre si o peso de todos os mestres da literatura que olham sobre o seu ombro e abanam a cabeça dizendo:
“- Que falta de talento. Não deves deixar o teu emprego para te dedicares só à escrita”.
Este acordo tácito entre o novo escritor frustrado e a sombra dos grandes mestres faz com que exista uma nova classe de escritores “part-time” seguindo uma certa tradição “pessoana”.
O novo escritor pode culpar a sociedade que o obriga a desempenhar funções que vão contra a sua natureza de forma a poder sobreviver, mas a verdade é que normalmente, e segundo um filosofo Algarvio: “Quem nasceu para lagartixa nunca chega a jacaré”.
Esta premissa segue uma orientação determinista Kantiana que revela um certo sentido fatalista próprio do Português.
A indefinição sobre a verdadeira natureza do indivíduo produziu então figuras tão difusas como os exemplos que se seguem: contabilistas com alma de diletante, romancistas como Dan Brown, filósofos com espírito de técnico de contas, escritores de livros de culinária, estrelas pop que escrevem livros para crianças...

Termino com algumas ópticas que podem ser utilizadas na abordagem desta temática:

A interpretação Budista:
Escrever (como tudo na vida) só tem sentido se o fizermos de forma desinteressada e sem esperar algum tipo de reconhecimento.

A interpretação pragmática
Usa a escrita para expurgar o que te consome no dia a dia, mesmo que seja mau. Os outros que leiam.

A interpretação egoísta
Escreve para ti sem ligar à opinião alheia.

P.M.
(Post Mortem)

sábado, 14 de fevereiro de 2009

A Criada do Albergue do Pé Quebrado

Ela é uma bela, uma linda rapariga
Por quem enlouquece toda a gente em Riga
Ela é a criada do Pé Quebrado
Por um óbolo lhe tirei o toucado
Por dois tostões e meio… Por dois tostões e meio
Pois então, que fizestes? Apalpei-lhe um seio
E por um escudo vosso, um escudo de lei
Que haveis feito depois? O seu cu espreitei
E por dois escudos, então, que pudeste fazer?
Ora essa, tomar-lhe a cona e foder.
Assim pelo óbulo, pelos escudos e pelos tostões
Tive mama, cu e cona, mais sífilis nos colhões
E tudo isto num ápice, é bom fazer notar
Porque o homem que a amparou
Dez vezes esta soma pagou
E seis meses suspirou para o mesmo alcançar.

Diderot (1773)

Sweet Suburbia

Quando me lembro daquela noite fico com a impressão que abusamos um pouco mas nada que nunca ninguém tivesse feito antes. A ver bem eramos apenas uns 40 e aliás, eu nem vi quase nada. Foi tudo muito repentino e começou com uma pequena brincadeira quando o Chico Da Naifa mandou uma pedra a uma janela, e o Manel Pé De Cabra acendeu o isqueiro encostado a um vidrão. Quando nos apercebemos da cena já era tarde demais. Doze carros ardiam e três policias estavam estendidos e empapados em sangue, cada um com sete ou oito buracos de balas no bucho. Se estavam mortos? ...bom, naquele momento nem deu tempo para pensar nessas picuinhices. Tinhamos é que limpar tudo antes de alguém acordar, sair e ver a rua tuda suja, senão iríamos ficar de castigo em casa sem sair durante quase toda a tarde, de certeza. No que toca à disciplina os nossos pais não brincavam, eram muito rígidos.


Zéca Dogueto

Dúvida

Alguém me sabe dizer que árvores são aquelas ali atrás que dão umas flores tão bonitas?

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

O Fim da Crise


Liberdade de escolha

Questão: porque é que eu me chamo Manuel, Joaquim, Carla, Adília, Quitéria, Romualdo, Eleutério ou sei lá quantos mais nomes próprios estão disponiveis para escolha. Mas a essência da minha questão é a seguinte, escolheram vocês o nome que têm? Foram vocês os responsáveis por aquelas palavras que ouvem quando alguém se vos dirige, apelando à vossa pessoa? Claro que não. Tiveram que gramar com uma designação que vos foi imposta por alguém que vocês mal conheciam na altura, os vossos pais ou pior ainda, os padrinhos. Alguém que se achou no direito de decidir por vocês, como se iriam chamar de aí em diante e durante toda a vida. Está mal, não só porque contraria todo um principio de liberdade de escolha inerente à condição de se ser humano, mas também porque quem decide não sabe se o nome atribuido será do agrado do nomeado.

Então talvez a coisa devesse ser da seguinte maneira: aquando o nascimento de uma criança ser-lhe-ia atribuido um código alfanumérico, único e aleatório gerado por computador, isto para poder ser indentificada nas escolas, ficha clinica, actividades extracurriculares, e até pelos próprios familiares. Depois, e quando atingir uma idade em que terá capacidade de escolha sem influências alheias, e isto para uns pode ser aos 15 anos, para outros aos 18 e com um limite até aos 20 enfim, então poderá determinar que a partir daí se chamará “Fulano de Tal”. Muito importante: nenhum familiar, amigo ou pessoa próxima deverá em situação alguma chamar o individuo por qualquer nome próprio, nem a brincar.

Isto irá evitar que, alguém possa ficar desagradado com o seu nome, como algumas pessoas que conheço, evitará também alcunhas e cognomes estúpidos próprios da idade escolar, a atribuição de nomes descabidos e por vezes até humilhantes escolhidos por padrinhos amargurados com a vida, embuidos por sentimentos rancorosos, ou até propósitos de vinganças silenciosas para com os pais do interessado são também um problema. Outra coisa ainda é o nome em si, e aqui coloco uma questão paralela. Porque hei-de eu ter que carregar comigo um nome que já é utilizado por muitas outras pessoas? Isto também é totalmente contra a liberdade criativa, deveria eu poder inventar um nome para mim se assim o desejasse. Assim é que deveria ser meus senhores.
Gaunstrubydal Iosdruxalóniozingaróteles

O Devir Astro-Intestinal da Vida

As preocupações gastrointestinais condicionavam a sua atitude perante a vida. A revolução interior revelava uma estranha analogia com o devir e impermanência de toda a existência. O seu antiácido e o que o centrava e devolvia a um eixo psicossomático de equilíbrio causal era o simples acto de tocar nas plantas, aproveitando a sua aura feita de clorofila.
Enquanto outros experimentavam todo o tipo de drogas psicotrópicas à espera da grande revelação que iria salvar toda a tribo, a ele bastava-lhe esta alucinação de fotossíntese.
Foi mesmo detido num parque de Sevilha quando, ao entrar num transe frenético agarrado a uma palmeira, gritava convulsivamente:
- “Sebastião del Cano é que deu a volta ao mundo!!!”.


P.M.
(Post Mortem)

Comparações à parte

O homem gosta mesmo de figuras de estilo, das comparações em particular. Ele próprio é uma figura de estilo, lá para os lados do eufemismo. Primeiro disse que a vaca qualquer dia morria de tanto dar leite sem que ninguém a alimentasse. Hoje saiu-se com uma história que envolvia conhecer bem com que soldados é que vamos saltar do helicóptero para a selva. É a literatura em movimento. Esperemos que este poeta não torne a qualificação de Portugal para o Mundial no fim da macacada.

O caso Francês

Este domingo estava eu a folhear uma conhecida publicação da nossa imprensa cor-de-rosa quando me deparo com o seguinte titulo: SARKOZY O RÁPIDO.

Primeiro ainda associei o titulo a uma daquela "cóbóiadas" do tempo do John Wayne em que o fascista "croissant" estava ao por do sol, num duelo a fitar o seu adversário com uma musiquinha do Ennio Morricone, mas não.

Ao que parece Sarkozy tem ejaculação precoce e quem não anda muito feliz com esta situação é a mulher do menino, pois é, com uma boa daquelas e aquele "hitlerzinho-de-trazer-por-casa" não se aguenta á bomboca...

Carla Bruni, preocupada com os seus orgasmos decidiu dar uma "mãozinha" ao seu esposo e contratou um "personal trainer" para ajudar o "rapidinho" a exercitar o musculo peronial.

E ainda dizem que não se aprende nada na imprensa cor-de rosa...

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A Vida Íntima de Adolfo

Depois de a SIC ter lançado ontem a mini-série "A Vida Privada de Salazar", onde transforma o impotente ditador num playboy, a TVI ripostou já dando início à produção de uma série denominada "As Diabruras de um Führer". Sabemos de antemão que a série apresenta cenas escaldantes entre Hitler e o seu cão, fazendo já, o obrigatório Nicolau Breyner parte do casting, não sabemos ainda se no papel de Adolfo ou no de cão.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Love is in the air (Não, fui eu que peidei kirido)


O nosso Romualdo voltou ao estrelato depois de mais de uma década de ausência. Podem vê-lo no dia 14 de Fevereiro na Associação de Músicos. No entanto, e respeitando o anonimato que este artista muito preza, não podemos revelar que banda integra. Por isso vão ter que adivinhar…
Vai ser uma noite de muito love, “pandeleirices” e nostalgia.

O artista tambem fode

Apetece me foder.
Apetece-me mesmo foder.

Só de pensar que alguem se dá ao trabalho de vir aqui a este blog em vez de estar a ver pornografia ainda me dá mais vontade de foder.

(Vou passar á parte em que descrevo a minha pila)

A minha pila é uma pila culta, gosta de Proust declamado aos berros, é volumosa e voluntariosa, ás vezes chora.

manda-me um email para: gostodegreta.garbosa@hotmél.come-me, com o teu curriculum em anexo para eu anal-isar se ha compatibilidade, (pretende-se nível)

Cultura pop (mainstream is a dream)

Cada vez que entro em ambientes pseudo-intelectualóides é certo: mais tarde ou mais cedo alguem se vai começar a armar em esperto para cima de mim, alguem se deu ao trabalho de investigar a coisa mais rebuscada que existe e começa-me a indagar sobre aquele assunto, o qual obviamente essa pessoa domina e eu desconheço (ou tou-me a cagar) memória selectiva, acho que é o que lhe chamam.

-Há sempre alguem que te amarga a existência. Baza. Ou Confronta o que te consome. Chupa-me a pila.

É o que eu normalmente digo quando tou com paciência, sinceramente, enoja-me a pretensão de ser interessante ou como se diz hoje em dia: "trendy" por isso é que escrevo sobre coisas desprovidas de qualquer interesse... inócuas.

Cultura pop... o que é que este gajo quer agora?

Pois bem... cultura pop é quando por exemplo estamos a ver "Os Simpsons" e eles dizem uma piada que nós não percebemos, ou por exemplo calçar umas all-star e umas calças rasgadas em sitios estratégicos e dizer ás pessoas que não ligamos ao aspecto, é ter um fender stratocaster se a banda é "indie" ou uma flying "V" se a banda é de metal, é ter usado camisas de flanela nos anos 90, basicamente é aderir a uma das tendencias do espectro pop-caleidoscópico-intemporal e estar dentro do assunto, o mainstream tem espaço para todos.

E agora uma pausa para os comerciais...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Campanha Eleitoral? Sim, Obrigado.

A Câmara Municipal de Faro está a acompanhar a tendência geral de Governação do Pais, seguindo respeitosamente a máxima: “Antes de fazermos qualquer obra devemos anuncia-la primeiro com grande pompa e circunstância”.
Passo a citar alguns exemplos:

- O Parque de Estacionamento do Largo das Mouras Velhas (ao lado do Teatro Lethes)
Este parque mártir já sofreu diversas intervenções que só pioraram o seu estado. Primeiro arqueólogos interessados escavam as imediações em busca do Santo Graal e privam o cidadão do uso do parque durante meses. Depois misteriosamente voltaram a tapar tudo com terra estando o parque actualmente sem alcatrão.
Ao lado deste cemitério do Neolítico repousa uma placa que anuncia solenemente a construção de um parque subterrâneo com milhares de lugares.

- A loja do Cidadão
Anunciada com grande pompa num grande cartaz no mercado Municipal e em todos os folhetos do Câmara de Faro. Ainda não abriu.

- Obras de Requalificação do Sé
Colocado um enorme cartaz na Fabrica da Cerveja a anunciar que a Câmara de Faro está a trabalhar para nós. Pergunto-me quando terá custado aquele cartaz e quantas fachadas da Cidade Velha poderiam ter sido pintadas com aquele dinheiro.

Pessoalmente sinto-me muito lisonjeado que a Câmara esteja a trabalhar para mim mas penso que pouparia algum dinheiro se não o anunciasse com tanta veemência.

O Cidadão Preocupado

Pára de chorar, isto pra ti é uma honra

A velha história do homem poderoso, conhecido da televisão,
que tira os óculos e abusa da criancinha indefesa

domingo, 1 de fevereiro de 2009